sexta-feira, 22 de junho de 2012

Mais um percalço a vencer...

Quando acordei na passada terça feira dia 19/06/2012, nada me poderia preparar para o que aí vinha.
Alguns sinais indicavam que algo não estava bem: o olho esquerdo não fechava a 100% e a água saía fora da boca do mesmo lado. "Deve ser a minha ansiedade a pregar-me partidas!" - Pensei. Ao longo da manhã, por volta da hora de almoço, fui-me apercebendo que a boca também estava a ficar parada. Disse ao meu marido: "E não estou bem! Tenho que ir ao Hospital. Não consigo mexer a boca nem fechar os olhos.". E de imediato pensei: "AVC!". E fomos ao hospital. Fui atendida na neurologia. Fizeram-me uma série de testes de sensibilidade e um TAC ao cérebro para confirmar se seria AVC ou não. Tirando o tempo de espera, que me deixou na maior ansiedade de que lembro nos ultimos tempos, o pior foi a notícia. O médico explicou-me que o TAC estava normal. O cérebro não apresentava derrames ou tumores. O nome que deu ao meu problema: paralisia facial de Bell. Este tipo de paralesia pode ter sido provocada por um vírus, uma corrente de ar, uma complicação de uma gripe ou constipação, ou ter origem idiopática (sem causa determinada). Falou-me então dos medicamentos a tomar e da importância de os tomar todos conforme esta prescrito, e que nas 48 horas a seguir à paralisia iria senti-la de forma mais acentuada. O choque maior foi quando me falou na fisioterapia o quanto antes para recuperar da paralisia e não ficar com sequelas. As palavras que me assolaram a cabeça foram: "Sequelas? Hã! Como? Então e os medicamentos? Não resolvem?" Após sair do consultório com alta, abateu-se sobre mim a realidade e a sua crueza. Desatei num choro (de morte), e fiz as perguntas que toda a gente faz quando se encontra perante um obstáculo deste tamanho. Roubaram-me o sorriso, o beijo.... O que me custa muito é sorrir em frente ao espelho. A transfiguração repentina é muito dolorosa. Estou profundamente triste e choro com freguência. Hoje tenho o 1º dia de fisioterapia. Estou a tentar preparar-me para os meses que aí veêm e a tentar ir buscar forças para encarar isto com alguma naturalidade. Esta situação veio dar um significado diferente à frase: " você não sabe a força que tem, até que a sua única alternativa é ser forte". Torçam por mim e desculpem o desabafo. 

4 comentários:

Sorriso disse...

força, tudo correrá pelo melhor!!

Mimos da Claralú! disse...

Sú minha querida, vim agradecer o recadinho e fiquei assustado ao começar ler seu post. Mas olhe, paralisia facial não é algo para se preocupar muito, se fizeres todas as fisioterapias direitinho, seu rosto voltará 100% ao normal, tenha certeza. Conheço uma pessoa que quem olha pra ela não diz que teve paralisia facial.
Fique tranquila amiga, mas o mais importante, ore pra Deus te dar forças para não se desesperar e tranquilidade e serenidade para chegar até o final do tratamento. Ok? Fique com Deus, que Ele te abençoe hoje e sempre.
Um grande beijo

Fê-blue bird disse...

Amiga Susanna, a vida de vez em quando prega-nos uma partida.
Sei bem o que está passar, o mundo parece que desaba na nossa cabeça, mas acredite que vai melhorar e acredite na sua força que é muito maior do que julga.
Vou torcer por si e vá dando notícias.
As melhoras

beijinhos

Joao Martins disse...

Ohhhh :( uma grande beijoca e desabafa á vontade, muita força!